Avisos

Reimei (Aurora) / Paz Espiritual – Palestra do Reverendo Nakahashi

Como o dia 15 de junho já está bem próximo, escolhemos para o Culto de hoje o salmo denominado “Reimei” (Aurora), já que ele é um poema de Meishu Sama que se destaca por simbolizar não só o que está acontecendo hoje no mundo, mas também o que vai acontecer daqui por diante. Por exemplo, no trecho que diz “o inverno findou”, o termo “inverno” deve ser interpretado quanto ao seu aspecto espiritual, cuja significação corresponde a “noite escura”. Então, nesse sentido, a expressão “o inverno findou” deve ser entendida no sentido de que terminou a Era da Noite, e já se inicia a Era do Dia.

Um outro trecho da poesia fala que “já impera a alegria das flores”, o que quer dizer que a primavera já está chegando, que o tempo está esquentando e que milhares de flores começam a brotar nos campos. No poema em questão, as “flores” simbolizam o ser humano, o que significa expressar que nós passamos a sentir muita alegria em nosso coração por já podermos usufruir da Era do Dia, época por cuja chegada tanto ansiávamos nos tempos da Era da Noite, expressos em nosso poema como os longos tempos de “inverno”. Aqui no Brasil, a diferença entre inverno e primavera não é assim tão marcante, mas em outros países a chegada do inverno faz com que caiam todas as flores das árvores, com que as montanhas percam o seu verde característico, ficando a vegetação totalmente seca e coberta de neve, como se mundo se mantivesse parado e a natureza estivesse morta ou dormindo. Seria essa a impressão correspondente em nosso texto ao sentido de “inverno” com Era da Noite.

Em compensação, a chegada da Era do Dia seria o marco para sentir-se alegria no coração, e todas as pessoas começarem a entender verdadeiramente o sentido da felicidade, o que está expresso em nosso salmo no trecho que diz “Centenas de pássaros cantam. É primavera”. O sentido do termo “pássaros” também quer dizer seres humanos, só que nesse caso aqueles já mais evoluídos espiritualmente, porque pássaros voam no céu, não andam sobre a terra; encontram-se acima dela, têm mais liberdade de ação e, inclusive, manifestam claramente toda a sua alegria com seus cantos.

No livro de Orações, também pode ser encontrado um outro poema de Meishu Sama que fala sobre Reimei (Aurora). Seria até interessante vocês conferirem, pois nesse poema há referência sobre o canto dos pardais e dos galos, e eu mesmo já presenciei isso bem de perto, muitas vezes. Quando viajo para o Japão, sofro bastante para me adaptar à diferença de fuso horário, porque lá sinto muito sono durante o dia, já que acabo acordando muito cedo, antes mesmo de amanhecer, mais ou menos lá pelas três ou quatro horas da madrugada. E encontrando-me desperto, procuro ficar observando os sons. Tudo está escuro, não há ainda o menor sinal de luz, mas os pardais já começam a cantar. É interessante, porque eles pressentem que a manhã vai chegar logo. E assim que clareia o dia, são os galos que iniciam o seu canto característico, anunciando a chegada da aurora.

Ainda citando outros salmos de Meishu Sama, há um que faz referência a pessoas sensíveis, que percebem que a manhã já se aproxima e que o Sol já vai raiar anunciando a chegada do dia, o que significa que tais pessoas já apresentam uma certa elevação espiritual, caso contrário, não seriam capazes de ter a percepção do prenúncio da aurora. Tem muita gente que dorme, mesmo depois de ter raiado o dia; são os que mantêm janelas e portas fechadas, para dar continuidade à noite. Fora já amanheceu, mas no íntimo dessas pessoas continua noite, o que quer dizer que tudo depende de sensibilidade espiritual, ou melhor, da nossa própria elevação espiritual.

Mas qual seria o verdadeiro sentido de tudo o que acabei de falar? É bem simples, porque significa que nós temos de despertar, temos de saber que a Era do Dia já está chegando, mas não simplesmente de uma forma racional, não apenas em nossa mente, mas sim em nossa alma, porque é nosso espírito que precisa sentir verdadeiramente isso. E, ao sabermos que a Era do Dia está tão próxima, daí então nossas atitudes, pensamentos e nosso soonen mudariam também, tornando-se mais claros e transparentes. Isso significa que, ao observarmos nossa vida interior, ao olharmos bem no fundo de nós mesmos, veremos que nossa consciência e nosso espírito clarearam, pois podemos sentir alegria no coração; já somos capazes de vivenciar nitidamente as mudanças, percebendo que as trevas e coisas negativas estão desaparecendo, saindo de nosso coração, e que ele se torna cada vez mais claro, pois nele penetram o Sol e a Luz. Esse vem a ser um dos sentidos do salmo escolhido para hoje.

A segunda estrofe de nosso poema também é bastante significativa, especialmente no trecho que diz: “Não existindo trevas, o sofrimento desaparecerá”, o que deve nos levar à seguinte interpretação: a caracterização da Era da Noite como um período de sofrimentos para toda a humanidade e, claro, principalmente para cada um de nós, porque o mundo ao nosso redor ainda se encontra escuro e frio e nosso interior também está em trevas. Nessas condições, não somos capazes de enxergar nada de bom pela frente, não vislumbramos a menor possibilidade de claridade, não demonstramos amor ao próximo, ao contrário, mostramo-nos bastante egoístas, o que, em suma, quer dizer que nosso coração encontra-se dominado pelas trevas.

Mas é indiscutível a inversão dessa situação com a chegada da Era do Dia, pois é certo que o sol exterior, o Sol Espiritual surge fora e, principalmente, dentro de nós. E assim, tudo o que nos diz respeito inicia um processo paulatino de diversas modificações. Observem bem que, após terem ingressado na fé, começado a ministrar Johrei, rezarem a Deus, lerem os Ensinamentos e dedicarem-se à obra divina, as trevas, a parte escura que vocês carregavam na alma vai desaparecendo pouco a pouco, tudo vai se tornando mais claro, e vocês já passam a enxergar Luz pela frente. E, caso isso não aconteça, é porque alguma coisa está errada, já que não há nada de extraordinário nesse processo, ao contrário, ele é absolutamente normal. E sabem por que não há nada de excepcional nisso? Porque tudo é decorrência do tempo certo, independentemente de esforços próprios e de merecimentos de nossa parte: é o mundo que está em transformação, e isso é que é interessante. Mas é claro que devemos nos esforçar também, mantendo-nos bem atentos e plenamente conscientes de todas essas mudanças que acabei de expor.

Continuando a interpretação de nosso salmo, nele consta que “interferências negativas perderão a força”. Nós nem chegamos a ter uma percepção nítida, mas a verdade é que, no decorrer da Era da Noite, as forças negativas atuavam intensamente e, inclusive, chegaram a dominar o mundo no sentido material e espiritual, o que esclarece a existência de tantas desgraças e de todo o sofrimento que ainda assola a humanidade. Porém, esse panorama se inverte com a chegada da Era do Dia, devido ao aumento da intensidade da Luz no Mundo Espiritual, e também graças ao Sol que já está aparecendo no Leste, no céu, obscurecendo todas as trevas existentes. Com isso, o negativo que mantinha nosso destino dominado material e espiritualmente vai, pouco a pouco, perdendo a sua força e cedendo lugar ao verdadeiro domínio da Luz, que dia a dia aumenta de intensidade e força, como uma conseqüência natural da chegada da Era do Dia.

Agora vou me deter no trecho que diz que “Espessas nuvens que encobriam o céu afastaram-se”. Ao me levantar hoje pela manhã, notei que o céu estava encoberto. Não eram nuvens muito pesadas, mas havia névoa e fazia frio, o que me levou a imaginar que não teríamos um dia bonito no Culto de hoje. Esse é um exemplo típico do nosso modo de pensar. E como vocês podem ver, o céu clareou pouco a pouco e, neste momento, o sol mostra todo o seu brilho.

E então, voltando ao sentido do termo “espessas nuvens”, isso significa que algo encobria o céu, impedindo que a passagem da Luz de Deus atingisse a Terra. Mas as nuvens existentes afastaram-se passo a passo com a chegada da Era do Dia, e é exatamente isso que ocorre com cada um de nós: desejamos o afastamento das coisas pesadas que nos atingem, queremos ser mais felizes, ter mais alegria e poder expandir tais sentimentos aos outros, juntamente com todo o amor que temos para oferecer, porém algo mantém nosso coração encoberto, como se alguma coisa bem pesada se mantivesse nele, tornando-nos pessoas bastante desanimadas sempre. Assim é a nossa vida, e é preciso muito esforço para mantermos a alegria no coração, não é? Acho que, de modo geral, essa é a situação de todos nós: apesar de nos esforçarmos bastante, não chegamos a alcançar o que desejamos, o que pode ser explicado pelo fato de que apenas nossos esforços não são suficientes para tal, nem poderiam ser. Mas fiquem certos de que, assim que a Era do Dia chegar, as nuvens que pesam sobre nós irão se afastar. Notem que o termo usado não foi “desaparecer”, mas sim “afastar”, pois basta o afastamento das nuvens para o mundo e nosso próprio interior começarem a clarear. É como diz Meishu Sama: “Agora Sol radiante ilumina o mundo”. E assim será, tenham certeza disso!

Agora que já vimos o salmo, vamos nos deter no Ensinamento escolhido para o Culto de hoje. Seu título em Japonês é Anshin Ritsumei, cuja tradução apenas aproximada é “paz espiritual”, já que não há uma expressão equivalente em Português que traduza com precisão o título original. Então, procuramos traduzir “paz espiritual” no sentido de paz interior, de tranqüilidade, de se poder viver tranqüilo, sem temer pelo futuro, acreditando-se que ele também nos é garantido por Deus. Corresponde a acreditarmos que nosso futuro será cada vez melhor e mais próspero. Isso é ter paz espiritual, daí a grande importância do Ensinamento de hoje, que deverá ser lido mais vezes por vocês, em casa.

Nós costumamos dizer que o segredo da fé é acreditar em Deus, entregar-se a Ele e não se preocupar com mais nada, já que só Ele mesmo é quem resolve tudo, olha por nós e sempre nos apóia. Mas segundo a própria interpretação do Ensinamento, entregar-se totalmente a Deus é quase impossível. E sabem por quê? Justamente porque as coisas não correm conforme nossos desejos, em decorrência de nossas próprias máculas e impurezas. E por isso, para se atingir esse estado de entrega total a Deus, conseguindo-se, assim, a manutenção de nossa paz espiritual e interior, só mesmo aceitando-se a condição inegável de que temos de queimar nossas máculas, de que ainda temos algumas coisas a serem eliminadas. Esse é o único caminho possível para se atingir o estado de paz interior total. E como vocês bem sabem, há dois meios de eliminarmos máculas e impurezas: um deles é através de sofrimentos, ao batermos a cabeça por não sermos capazes de discernir o certo do errado, apesar disso ser o de menos, porque, de uma forma ou de outra, somos capazes de corrigir nossas próprias atitudes, mesmo que demore algum tempo. O sofrimento, por si só, já é um eficiente meio de purificação, e aqueles que já sofreram, eliminaram uma determinada quantidade de máculas que se encontravam acumuladas no coração.

E o outro meio para eliminarmos máculas e impurezas é buscarmos agir no sentido de fazermos os outros felizes. Uma pessoa que tem fé, que já possui o Ohikari pode trazer felicidade aos outros e, ao mesmo tempo, eliminar as próprias máculas. E, claro, que esse é um jeito muito mais leve e fácil, pois não envolve sofrimentos pessoais. Foi para isso que Deus nos concedeu a oportunidade de ter o Ohikari : para ministrarmos Johrei, minimizando o sofrimento de outras pessoas, tornando-as mais felizes. Esse foi o caminho que nos foi legado por Deus e Meishu Sama. Mas para isso, temos de praticar, caso contrário, prolongaremos nossos sofrimentos pessoais, o que justifica que devemos, então, procurar fazer por nossos semelhantes o máximo que estiver ao nosso alcance, ainda mais neste momento em que podemos contar com a chegada da Era do Dia, em que as coisas já não estão mais tão difíceis como eram antigamente. Agora, até para acumularmos virtudes tornou-se mais fácil. Na Era da Noite, sim, as dificuldades eram enormes, e esse é o aspecto que temos de compreender.

Vejamos agora o final do Ensinamento de hoje. Como membros, a maioria de vocês já recebeu graças para a cura de doenças, e muita gente já chegou ao ponto de não ter mais medo, pois está ciente de que, através do Johrei , resolve problemas relacionados à saúde, mostra-se mais forte, com mais vitalidade e, conseqüentemente, encontra-se bem mais saudável. No entanto, outros itens como a pobreza, por exemplo, insistem em persistir na vida de muitos de nós. Ainda enfrentamos dificuldades materiais, apresentamos problemas de ordem financeira, o que, em resumo, quer dizer que ainda nos falta abundância não só na parte material, mas também no tocante ao nosso lado espiritual. O que Meishu Sama explica é que situações como essa dependem de nosso nível espiritual, de nossa própria evolução no Mundo Espiritual, isto é, de nosso Yukon , que ainda tem de evoluir, de se elevar. É por ele estar ainda em um nível inferior, que enfrentamos dificuldades de ordem material. Entretanto, ao procurarmos acumular virtudes, ajudando a quem necessita de nós e também dedicando-nos à obra de Deus, paulatinamente, sairemos do nível espiritual em que nos encontramos e atingiremos níveis cada vez superiores. Aí, sim, chegaremos a encontrar de verdade a paz interior tão almejada por nós, pois não haverá mais perigo, não mais teremos medo e, assim, chegaremos ao estado de tranqüilidade plena.

Mas Meishu Sama vai além em suas explicações nesse mesmo Ensinamento, dizendo que quando alguém já foi capaz de entender esses aspectos que acabamos de ver, mesmo que esteja enfrentando dificuldades e passando por um período de sofrimentos, tem mais facilidade em ultrapassar essa fase difícil. Exemplificando, cito a ocorrência atual de gripes, de outras doenças e da violência que se encontra ao nosso redor. Pessoas que estão em pleno processo de purificação de uma gripe, por exemplo, dizem que seu corpo todo dói, principalmente as juntas. Mas, como já são experientes, mesmo com muita dor e mal-estar, não se desesperam, porque sabem que tal fase já corresponde ao meio do processo de purificação, que é só uma questão de tempo, de alguns poucos dias para tudo passar. São pessoas que conhecem os efeitos do Johrei e que sabem que, ao desaparecerem os desagradáveis sintomas da gripe, vão adquirir mais saúde do que a que tinham anteriormente. Então, de uma certa forma, mostram-se tranqüilas, mesmo tendo muitas dores e um mal-estar geral.

É disso que Meishu Sama sempre fala, e eu particularmente acho que a maioria de nós encontra-se nesse exato ponto, bem no meio de uma purificação, o que não impede nossa certeza de que tudo vai se resolver logo. Isso, então, é o que vai nos manter tranqüilos, mesmo que ainda não seja aquela tranqüilidade absoluta, nem a paz interior total, porque sempre temos ainda um certo medo, um pouco de insegurança, sentimentos bem característicos do ser humano, não é? Mas o importante é que já sabemos, já compreendemos o que ocorre, o que vem a ser um alívio, realmente a nossa salvação. Não temos como impedir a aceleração de purificações materiais ou espirituais, mesmo porque elas se intensificam cada vez mais. É exatamente como já dizia Jesus há dois mil anos: “Vai chegar o Juízo Final’.

Mas, na realidade, qual a significação disso? Nada mais do que o fato de termos de eliminar todas as nossas máculas para ficarmos mais próximos de Deus, de sermos os escolhidos por Ele. Só que, antes disso, precisa haver arrependimento de nossa parte, além, é claro, da eliminação de máculas. Temos de ter a clara percepção de nossas próprias falhas, precisamos perceber onde máculas encontram-se arraigadas em nosso coração. Ego em excesso, apego, muitos sentimentos negativos, falta de gratidão a Deus, acho que cada um tem de procurar melhorar em todos esses aspectos, mesmo que bem devagar, passo a passo.

Eu mesmo acho que 2006, a partir do dia 15 de junho, vai ser um marco para entrarmos em uma nova fase. Outro dia eu andava lendo um Ensinamento de Meishu Sama, distribuído num folheto em 2003, que falava exatamente sobre esse processo da transformação da Noite para o Dia. A última transição nesse sentido ocorreu em 15 de junho de 1953, data em que Meishu Sama terminou o protótipo do Reino do Céu na Terra, em Hakone, dizendo: “Hoje é o primeiro dia do julgamento; hoje é o início da Era do Dia no Mundo Material”.

Devo lembrar a todos que a Era do Dia teve início no Mundo Divino, passou posteriormente para o Mundo Espiritual e só daí chegou ao Mundo Material, em 1953, fato curioso, porque somando-se os elementos numéricos componentes desse ano obtemos 18 (1+9+5+3 = 18), resultado altamente significativo, em seu sentido interpretativo profundo. Vejamos, então:

53 = 5 (fogo) + 3 (água), este ano faz 53 anos após 1953

5 + 3 = 8 (expansão; cruzamento de fogo e água, que gera força,
poder: origemdo poder de Kannon).

19 = 1 + 9 = 10 (cruzamento entre verticalidade e horizontalidade; em
Japonês, 10 simboliza Deus e escreve-se “+”, sinal que
representa o cruzamento da verticalidade com a
horizontalidade, o que gera poder).

10 + 8 = 18 ( número que resulta da soma de 10 = Deus mais 8 = Kannon).

Agora, lembremo-nos de mais um importante fato: o término do protótipo do Reino do Céu na Terra ocorreu em Hakone, cidade situada em região montanhosa, o que também nos remete à significação de verticalidade, de ligação com o Alto, com Deus.

Quanto mistério envolvido em tudo isso! Agora vocês já entendem por que eu acho que, a partir de 15 de junho, vão ocorrer muitas mudanças, e é por isso que temos de procurar cada vez mais divulgar a Luz de Deus e também os Ensinamentos de Meishu Sama para o maior número possível de pessoas. Isso vai ajudar bastante! Não devemos ter o pensamento de que por ter sido tão difícil no passado, encontraremos também tantas dificuldades no futuro. As coisas não transcorrem da mesma maneira; o mundo está mudando, e os tempos já são outros. Tenham certeza de que agora brotará a força necessária para nos ajudar, para nos empurrar para a frente. Mas, claro, que essa força não vem de nós; é como imaginarmos um barco à vela: quando o vento vem, é ele que impulsiona o barco, mas, para isso, a vela já precisa ter sido estendida por nós. Assim, quando o vento vier, ele vai nos levar de forma natural. Mas nós não podemos ter esquecido de deixar a vela estendida; não podemos deixar de estar preparados. Assim vai ser depois de 15 de junho. Vocês certamente terão muitas surpresas agradáveis, pois sentirão, de verdade, que chegou o tempo para a realização do ideal de Deus e também o tempo certo para a realização de nossos próprios sonhos e desejos. Deveremos procurar, então, trazer muita Luz e força para, realmente, sermos os instrumentos adequados para servir nessa obra de transformação do mundo da Noite, das trevas, na verdadeira Era do Dia. Por isso precisamos buscar trazer paz e amor a toda a humanidade, o que quer dizer que devemos trabalhar intensamente no sentido de atingir esse objetivo, voltando todos os nossos esforços ao exterior, com o firme propósito de ajudar o próximo.

Por exemplo, quando uma pessoa já tem o Ohikari, recebe muitas graças e mostra-se bastante entusiasmada, o que a leva a crer que será muito mais fácil dar as devidas explicações aos outros, ao começar a ministrar Johrei. Entretanto, essa verdade não corresponde aos fatos: normalmente, as outras pessoas não têm uma reação favorável, não aceitam o que lhes é dito, o que torna tudo muito difícil, inclusive levando o dedicante a ir desanimando pouco a pouco, até chegar uma hora em que ele já não fala mais nada. Nos primeiros dias, ele até diz para todo mundo que o Johrei é fantástico, que os Ensinamentos são maravilhosos e que os Cultos são ótimos. Mas como ninguém lhe dá ouvidos, o dedicante acaba desanimando e pára de falar. A ocorrência desse fenômeno é bastante comum: a pessoa se fecha, assim como vocês já se fecharam, pensando que não adianta falarem nada, porque ninguém vai entender mesmo, e aí começam a ocorrer as justificativas de que é necessário esperar mais tempo. Mas esperar até quando?

Comigo aconteceu também a mesma coisa: quando recebi meu Ohikari, Deus concedeu-me muitas graças, e daí então eu ficava falando com entusiasmo para meus colegas, mas não adiantava nada: ninguém aceitava, pensando tratar-se de alguma coisa bastante errada. Daí, eu recebia críticas e era motivo de riso para eles, o que acabou me levando a não falar mais nada. Mas, pensando bem, acho que hoje devemos fazer mais tentativas, já que o mundo está diferente. Penso ser importante tentar novamente, com mais coragem, sem receios. É preciso continuar nosso trabalho de divulgação, porque ainda há muita gente sofrendo com fortes gripes, constantemente tendo algum tipo de mal-estar, e o que é pior: tomando muitos remédios. Imaginem o que vai acontecer! Quantas conseqüências nefastas isso vai trazer, porque, ao invés da eliminação de toxinas, do alívio do peso de mal-estares físicos e espirituais, tais pessoas estarão aumentando-os ainda mais. É por isso tudo, então, que temos de procurar falar, de dar as devidas explicações aos que ainda desconhecem os princípios do Johrei.

Para terminar, peço a vocês que trabalhem com mais intensidade e afinco; que procurem participar, esforçando-se e dedicando-se cada vez mais. Vamos pedir a Deus e a Meishu Sama que façam com que desça bastante Luz até nós, que o Mundo Espiritual torne-se bem claro, assim também como nosso próprio coração. Esse é o significado maior da data correspondente a 15 de junho, dia da comemoração do Reino do Céu na Terra. E começou já faz tempo: há 53 anos deu o primeiro passo, o que torna tudo muito mais fácil para nós agora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaques

Meishu Sama

Johrei

Aulas do Reverendo Nakahashi

Templo Luz do Oriente

Construção da Torre de Miroku