Avisos

Culto de Ação de Graças – Palestra do Reverendo Nakahashi

A prática do Johrei

O Ensinamento de hoje trata sobre um tema já abordado anteriormente, mas que, na realidade, não se esgota nunca: a prática do Johrei, questão de grande relevância para nosso contínuo aprimoramento de como estudá-lo e de como ministrá-lo, com a máxima eficiência. Pela própria experiência de vocês, acho que todos concordam que diariamente, ou mesmo, todas as vezes em que ministramos Johrei, aprendemos alguma coisa, e isso realmente é algo profundo e sem limites. Podemos alcançar uma grande elevação espiritual, simplesmente pela prática do Johrei, o que nenhuma leitura é capaz de ensinar, já que a nossa verdadeira aprendizagem não é alcançada por meio de palavras, mas só mesmo através de nossas experiências de ordem prática.

Como diz Meishu Sama, “A cada dia, o Espírito do Fogo está aumentando no Mundo Espiritual”, fato que pode ser notado de forma nítida, principalmente depois do dia 15 de junho. Ao ministrarem Johrei, vocês mesmos já devem ter percebido essa diferença existente entre antes e depois de 15 de junho. E, paralelamente ao crescimento da intensidade do Espírito do Fogo, temos o aumento das purificações, que se manifestam fisicamente sob diversas formas, tais como gripes, dores de cabeça e nas juntas do corpo todo, acompanhadas, normalmente, por febres bem altas. Muitos de nossos mamehito (membros do Templo) passaram 2 ou 3 dias por essa purificação, e isso também é uma decorrência do aumento da intensidade da Luz Divina.

Mas de todas as purificações, a que se mostra atualmente de forma mais nítida é a “purificação mental”, aquele que atinge diretamente nosso lado psíquico. E nesses momentos, o mais interessante é o fato de que nossa fé tem de permanecer inabalável; temos de procurar nos manter absolutamente firmes ao lado de Deus, acreditando que nada acontece por acaso, que todo e qualquer acontecimento tem um sentido próprio, que lhe é peculiar. É mesmo como diz a Bíblia: a queda de uma folha seca de árvore é uma manifestação da vontade de Deus, e se isso não estiver de acordo com a Sua vontade, nenhuma folha chega a cair de árvore nenhuma. E eis aí o ponto fundamental: temos de acreditar firmemente nisso, e não ficar procurando analisar fenômenos e acontecimentos de forma racional e também dar atenção a opiniões alheias, pois isso tudo nos mantém em sentido horizontal, o que acaba abalando profundamente nossa fé, o que não devemos jamais permitir que aconteça.

E, com a aproximação do “fim do mundo”, segundo as palavras de Jesus Cristo, o que na realidade corresponde à chegada da Era do Dia, conforme Meishu Sama nos ensinou, motivos não faltarão para abalar a nossa fé. E tenham certeza de que ninguém estará livre de problemas; ninguém escapará de situações conflitantes, o que demonstra que a Luz Divina vem se intensificando no Mundo Espiritual, atingindo nossos corações. E, caso não estejamos bem firmes na nossa fé em Deus, permitiremos que nosso ego – nosso espírito secundário – sobreponha-se ao nosso espírito primordial – nosso protetor -, o que certamente levará ao enfraquecimento de nossa alma. Por isso tudo, é nosso dever tomarmos o máximo de cuidado ao atravessarmos períodos de grandes dificuldades, porque é justamente o que pode nos levar a perder a fé, pouco a pouco. E quando nos dermos conta, já não estaremos mais rezando com sinceridade e devoção. E o que é pior: já não estaremos nos entregando às mãos de Deus, que, na verdade, é o único que pode realmente nos salvar, já que ninguém mais pode nos ajudar em nada. Isso explica bem por que devemos manter nossa fé inabalável. E mais: sem ela, Deus também não poderá nos conceder Suas graças, porque como Ele poderá cobrir-nos de graças, se rompemos o cordão de salvação, o elo que nos unia a Ele? Estejam certos de que quanto mais forte se torna nosso ego – nosso espírito secundário -, nossas opiniões e críticas pessoais sobre o bem e o mal de outras pessoas, o certo e o errado de suas atitudes, mais estaremos abrindo possibilidades para que acontecimentos negativos abalem nossa fé, atingindo-nos diretamente.

Nossas convicções religiosas também exercem grande influência quando ministramos ou recebemos Johrei, e são nítidas as diferenças que podemos notar. Por exemplo, quando alguém tem bastante fé, a Luz de Deus flui com facilidade, mesmo que essa pessoa tenha máculas e muitas toxinas acumuladas no corpo. É bem interessante notar que, ao ministrarmos Johrei em alguém nessas condições, sentimos uma alegria e um bem-estar imensos, como se Deus estivesse cobrindo tanto o nosso corpo espiritual quanto o nosso corpo físico. Chegamos até a ficar muito agradecidos àquele para quem estamos ministrando Johrei.

Entretanto, essas condições podem se inverter, e a Luz de Deus parar de fluir, caso haja qualquer coisa incorreta, por mínima que seja, mesmo que não tenhamos consciência do quê esteja errado, efetivamente. O salmo de hoje é bem claro nesse sentido: “Não correspondem/ à vontade de Deus muitas atitudes/ mesmo parecendo dignas aos olhos humanos”, o que quer dizer que, independentemente de pensarmos que estamos certos, na verdade, não estamos não, já que o ponto de vista a ser levado em consideração é o de Deus, e não o nosso. E é exatamente isso que devemos entender, para jamais criarmos condições que impeçam o aumento do fluxo da Luz de Deus. E assim que aceitarmos tal questão, daí então devemos procurar reavaliar nossas próprias atitudes, procedendo, em seguida, às mudanças necessárias à nossa elevação espiritual.

Outro importante aspecto a que Meishu Sama sempre se refere diz respeito à necessidade de tirarmos a força do braço, ao ministrarmos Johrei. É como o que ocorre também em nossa vida: temos de tirar a força que teimamos em exercer sobre ela, entregando-a nas mãos de Deus e, principalmente, acreditando que tudo é feito de acordo com a Sua vontade. Essa é a questão principal, e é assim que se tira a força de que Meishu Sama fala. Mas isso não é nada fácil; ao contrário, é dificílimo. Procurem, então, ficar bem atentos quando ministrarem Johrei, e também considerem o próprio coração, procurando perceber se ele está alegre. Se vocês notarem que não estão obtendo um resultado positivo com o Johrei, é preferível pararem de ministrá-lo naquele momento, porque ficar ministrando insistentemente, por mais de 30 minutos, não leva a um resultado rápido de cura, e acaba, mesmo que involuntariamente, gerando muita tensão./p>

Acho que um exemplo poderá ilustrar melhor o que estou falando: pensem na hipótese de ministrarem Johrei em alguém que apresente febre bem alta. Vocês vão querer, a todo custo, que a febre ceda, então vão acabar colocando muita força no braço, além de ficarem insistindo em ministrar durante uma, duas ou três horas, até que a febre diminua. Em situações assim, o melhor mesmo é fazer uma pausa, relaxar, procurar se distrair para aliviar a tensão, para só daí voltar a ministrar.

Muitas vezes, observa-se que as pessoas encontram-se tensas, ao ministrarem Johrei. Seriedade é algo positivo, mas também não se deve ficar tenso justamente nesse momento, muito pelo contrário: temos mais é de ficar bem relaxados, principalmente ao entendermos que o ser humano e, inclusive até os espíritos divinos, quanto maior o grau de evolução espiritual em que se encontram, menor a força que apresentam nos ombros. É interessante observarmos isso no desenho que Meishu Sama fez de Kannon: procurem perceber como os ombros são arredondados, para baixo, bem relaxados, exatamente o contrário de uma pessoa comum que, quando tensa, fica com os ombros contraídos, para cima, com uma forma mais ou menos “quadrada”. Desse jeito, a Luz Divina não vai poder fluir, porque estará impedida, justamente pela própria força que os ombros exercem sobre ela.

Então, fiquem atentos e procurem observar se vocês estão tensos e, nesse caso, mudem de atitude. E se forem ministrar Johrei em alguém que esteja passando por uma purificação, procurem fazê-lo no máximo em 30 minutos, parem um pouco e não fiquem preocupados, porque não há a menos necessidade para isso. Dependendo do caso, em um ou dois dias a pessoa já melhora e, de forma bem natural, posteriormente elimina a toxina de algum jeito, como por meio de uma diarréia, por exemplo.

Por isso é que sempre digo que purificação é uma coisa ótima, e que vocês não devem se preocupar, se estiverem passando por uma. Preocupante mesmo é quando não ocorre purificação alguma! E mais: quando elas acontecerem, o que se deve fazer é agradecer a Deus pelo fato de Ele os estar guiando na direção correta. Na verdade, o mais importante de tudo é seguirmos o que o Ensinamento de Meishu Sama diz: “Uma atitude que ajuda na prática do Johrei é ministrá-lo mantendo um sentimento bastante agradável e descontraído, como se estivesse cantarolando”. Não ficar tenso e, sim, relaxado; sentir alegria e leveza no coração. Isso é que é importante de verdade!

Mas temos sempre de ter em mente que, seja onde for, para que a Luz do Johrei flua, para que o espírito divino desça, é necessário haver um ambiente propício para isso, que tem de ser leve, com todos os presentes sentindo uma imensa alegria no coração. Essas são as condições necessárias para o espírito de Deus poder descer de onde está, tornando o ambiente mais agradável e, principalmente, fazendo a energia girar positivamente, da esquerda para a direita. Isso fica bem nítido na prática de Johrei, quando começamos a relaxar e ficar bem tranqüilos: a Luz de Deus flui naturalmente, nós nos sentimos melhor, o tempo passa e nem percebemos, porque em momentos assim somos capazes de esquecer nossos sofrimentos e problemas. Acabamos deixando de lado tudo o que nos aborrece e, como Meishu Sama fala, parece que estamos nos divertindo no Céu, tamanha a alegria que sentimos. Esse é o ponto a que devemos procurar chegar, ou melhor, esse é o nível espiritual que precisamos alcançar. Assim, o Johrei flui bem, traz um efeito imediato positivo bem grande e podemos também sentir, cada vez mais, a intensidade da Luz de Deus. Johrei é algo profundo e grandioso, cuja função, além da cura de doenças em si, é realmente a elevação de nosso espírito.

Examinemos agora a última parte do Ensinamento que, aliás, é bem interessante. Meishu Sama diz: “Então, vejam: é uma maneira de agir diferente da que assumimos, ao pedir a Deus graças especiais, mesmo quando o fazemos com toda a insistência e dedicação. Nada impede de sermos atendidos”. Devo esclarecer a vocês que esse trecho que acabei de ler trata de algo bem distinto do que eu falava anteriormente: no caso do Johrei , precisamos permanecer relaxados ao ministrá-lo, entregando tudo nas mãos de Deus. Entretanto, ao Lhe fazermos um pedido importante, temos de ficar de cabeça baixa e fazermos nossa súplica do fundo do coração, o que, nesse caso especificamente, quer dizer que não podemos relaxar; ao contrário, temos mais é de ficar muito atentos, na totalidade de nosso espírito e corpo. Quando pedirmos socorro a Deus, para que Ele realmente nos ajude, não podemos agir superficialmente, com leveza. Precisamos fazer nosso pedido com muito empenho, do fundo do coração, mesmo! Daí sim, Deus nos estenderá a Sua mão. Vou repetir: quando vocês pedirem graças, ajuda ou proteção a Deus, façam-no com intensidade e persistência. Insisto nisso, porque há pessoas que não sabem dirigir adequadamente seus pedidos ao Pai Criador, achando que podem fazê-los de qualquer jeito, e o que é pior: achando que Deus tem obrigação de atender a tudo que Lhe é pedido. Isso é ilusão, porque Ele não está obrigado a nada. Nossos pedidos é que dependem de insistência e muita persistência de nossa parte. Por isso, torno a dizer: mantenham-se bem firmes no momento da oração, ou melhor dizendo, sempre que orarem a Deus, mantenham-se em uma postura de absoluta firmeza.

Pensamos, muitas vezes, que Deus conhece a fundo nossos problemas, aflições e sofrimentos, e que isso, aliado à nossa fé, é o bastante para obtermos a Sua ajuda. Na verdade, porém, não é o suficiente: temos de, realmente, pedir ajuda a Deus, e vocês são capazes de sentir isso quando abaixam a cabeça e pedem socorro a Ele, quando já não vêem mais nenhuma alternativa pela frente. Aí sim, com certeza, vocês podem sentir, de verdade, a ajuda divina, mas é justamente isso que muitas vezes chegamos a perder.

Mas, no caso do Johrei , dá-se relativamente o inverso: mesmo que haja bastante persistência da parte de quem recebe, pode ocorrer de o ministrante, ao tentar resolver todos os problemas de uma pessoa através dessa prática, não chegar a obter resultados satisfatórios. Essa é justamente a diferença que precisamos entender muito bem. Hoje, por exemplo, apesar da chuva, vocês vieram até aqui participar do Culto Mensal de Ação de Graças, cientes de que não deveriam perder essa oportunidade. Vieram para pedir a ajuda de Deus na resolução de problemas pessoais, além, é claro, de terem aqui comparecido, para receber graças divinas. Ao pedirem alguma coisa a Deus, façam-no sempre com firmeza e, certamente, Ele vai atendê-los, porque termos nossos pedidos atendidos ou não depende diretamente de nosso soonen, no momento em que nos dirigimos a Deus. Então, procurem entender bem a diferença existente entre o que falei anteriormente e o que acabo de explicar.

Buscando aprofundar um pouco mais o que estou falando, vamos examinar a 1ª parte do salmo de hoje, que diz o seguinte: “Quanto mistério/ existe quando um pedido correto,/ sinceramente feito,/ é atendido por Deus”. Aqui se encontra exatamente o ponto que contém o segredo da força da oração que, para ser plenamente atendida, deve ser feita sincera e intensamente. Deus dará ouvidos a nossos pedidos, receberemos Suas graças, e essa será nossa oportunidade de poder observar e experimentar o mistério de os problemas difíceis que nos rodeiam poderem ser resolvidos de forma absolutamente inesperada. A partir daí, então, sentimos a evidência da presença de Deus em nossa vida. Temos a certeza de que esteve presente, pois só Ele mesmo poderia resolver nossas dificuldades. E, ao acumularmos mais e mais experiências dessa natureza, tanto mais difícil será nos afastarmos da presença de Deus. Muito pelo contrário: vamos é querer nos aproximar cada vez mais Dele. Por outro lado, temos de considerar que o grande mistério divino revela-se a nós de maneira proporcional à intensidade dos pedidos que fazemos ao Pai Criador: se os fizermos “mais ou menos”, também receberemos mais ou menos graças. Então, é bom vocês entenderem bem esse ponto tão importante!

É Vejamos agora a continuidade do trecho que líamos anteriormente: “A verdadeira/ força que salva o mundo é divina./ Orai! Orai sempre a Miroku Oomikami”. O que devemos depreender dessas sábias palavras de Meishu Sama é que, mesmo que façamos tentativas no sentido de melhorar o mundo política e economicamente, a força do homem é limitada, ou melhor, não há possibilidades de o ser humano melhorar o mundo, em sentido material. Para isso, só mesmo contando-se com a força surpreendente de Deus, pois só mesmo o poder divino é capaz de mudar o panorama atual do mundo, para o qual já quase não há esperanças. Observando-o superficialmente, notamos que ele hoje caminha vertiginosamente para a decadência total; vemos só destruição ao nosso redor, e só mesmo a força de Deus poderá ser capaz de inverter essa tendência. Então, mais do que nunca, por que não orarmos e pedirmos a atuação Dele, já que não podemos contar com nossa inteligência, pois ela tem limites e não pode fazer muito? Portanto, vamos nos lembrar de rezar bastante, pedindo a atuação divina nesse sentido.

Agora, vamos examinar a última parte do salmo de hoje, que diz que “não correspondem/ à vontade de Deus muitas atitudes/ mesmo parecendo dignas aos olhos humanos”. Explicando esse trecho, devo lhes dizer que os olhos humanos se enganam, porque geralmente vêem as coisas boas como ruins, e não são poucas as vezes em que as coisas ruins são vistas como maravilhosas. Assim são os nossos olhos: têm muitas falhas, e decorre daí que, quando coisas boas não acontecem é porque algo está fora da ordem lógica, não correspondendo à vontade de Deus. O que temos de fazer, então, é voltar o olhar para nosso próprio interior, procurando encontrar o ponto em que nossas atitudes estão erradas. E assim que o encontrarmos, devemos então procurar corrigir nosso caminho e pedir a Deus que nos proteja e nos oriente, para que possamos, dessa forma, cumprir nossa missão aqui na Terra. E isso vale muito a pena, porque estamos vivendo um período bastante conturbado, o que só aumenta a importância de nossa responsabilidade como instrumentos de Deus. Talvez, em outros tempos, não tivéssemos essa oportunidade. Mas, hoje em dia, nascer neste mundo, poder servir a Deus, conhecer os Ensinamentos de Meishu Sama, receber e ministrar Johrei são privilégios ao alcance de poucos de nós, e por isso não podemos perder qualquer chance de cumprir a missão que nos foi destinada. Então, vamos pensar que não podemos perder tempo: nossas missões estão aí e, mais do que nunca, deverão ser executadas integralmente.

E assim, vamos caminhando, gradativamente, em direção à Era do Dia, o que, creio eu, seja a solução para mudar o rumo de nossa vida, porque, para aqueles que têm fé e se apóiam no verdadeiro e único cordão de salvação existente, surgem coisas positivas para abrir-lhes o caminho e, conseqüentemente, melhorarem o rumo do próprio destino. E, caso nossa existência terrena não transcorra exatamente dessa forma, é sinal de que precisamos aprofundar nossas reflexões e voltar nosso olhar bem para o fundo de nós mesmos, buscando procurar corrigir as falhas que se encontram em nosso caminho. E devemos reconhecer que, na verdade, podem resumir-se nas seguintes palavras: falta de fé, o que também pode vir a ser decorrência de nossa inexperiência quanto aos mistérios de termos nossos desejos atendidos por Deus, através de orações o que, particularmente, penso ser a nossa fortaleza, o nosso ponto de firmeza.

Vocês perceberão que quanto mais acumularem experiências no sentido de sentirem-se verdadeiramente gratos por todas as bênçãos que lhes são concedidas, quando chegarem a sentir, de verdade, em suas vidas que Deus e Meishu Sama sempre estão de mãos estendidas sobre cada um de nós e, mais ainda, quando forem capazes de agradecer por tudo isso do fundo do coração, certamente terão alcançado uma fé inabalável. Por enquanto, nossa fé pode não ser ainda tão firme, mas a própria aproximação da Era do Dia irá firmá-la mais e mais, e sempre, levando-nos a caminhar adiante. E mantenham-se atentos, porque o caminho é longo e ainda há muito o que andar.

Por isso, creio que hoje, ao terem recebido mais Luz e força, vocês já estejam partindo em direção ao caminho da felicidade. O próprio salmo de Meishu Sama diz que Deus é amor, que Deus é força, mas é necessário que vocês sintam esse amor e essa força sempre por perto. E mais ainda: devem senti-los de forma intensa, pensando que são a solução para que vocês enfrentem o mundo e também possam tornar felizes outras pessoas. Temos de sentir a força divina bem próxima de nós, percebê-la em nosso íntimo, o que vem a ser sinal de que Deus está verdadeiramente presente em nossa vida. Talvez alguns ainda não cheguem a senti-la tão nitidamente, mas, de qualquer forma, devemos ter em mente a importância da força e do amor que Deus dedica à humanidade toda. Isso é fundamental !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaques

Meishu Sama

Johrei

Aulas do Reverendo Nakahashi

Templo Luz do Oriente

Construção da Torre de Miroku