Avisos

Médicos fazem campanha contra excesso de exames – Folha de São Paulo – 5 de abril de 2012

Em um ato contra o excesso de exames e o sobrediagnóstico, nove sociedades médicas americanas lançaram uma lista com 45 testes que deveriam ser pedidos com menor frequência. As recomendações são dirigidas também aos pacientes, para que questionem seus médicos.

Outras oito comissões de especialistas também se preparam para anunciar suas listas de procedimentos que devem ser menos frequentes.

A mudança representa um reconhecimento por parte dos médicos de que muitos testes e procedimentos rentáveis são realizados de forma desnecessária e podem prejudicar os pacientes.

Segundo Gustavo Gusso, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Família, é importante que as pessoas saibam que o excesso de exames traz mais problemas do que benefícios.

“Muitos acabam descobrindo e tratando doenças desnecessariamente para que a redução da mortalidade seja só um pouquinho maior. Sem contar os falsos-positivos de câncer”, afirma.

 

Excesso de testes desnecessários já representa grave crise na saúde dos EUA

“Overtreatment”, ou o excesso de procedimentos médicos desnecessários, tem sido a palavra de ordem nos debates médicos nos Estados Unidos. A situação já é apontada como a mais grave crise na saúde americana.

Não é exagero. A estimativa é que um terço dos gastos com saúde naquele país seja com tratamentos sem necessidade, que não contribuem em nada para melhorar a saúde do paciente.

Só no âmbito dos cuidados primários (clínica-geral, pediatria), o desperdício é calculado em US$ 6,76 bilhões anuais (R$ 12,3 bilhões)

Além de aumentar o custo em saúde, exames desnecessários também trazem riscos para o paciente.

O uso desnecessário de antibióticos, por exemplo, aumenta a resistência bacteriana. Já o excesso de raios-X e tomografias está associado a um maior risco de câncer.

Alguns estudos veem o dedo da indústria de remédios e de diagnósticos nessas decisões médicas equivocadas.

Outros apontam que o problema está na (falta de) capacitação médica em saber identificar o que não é benéfico para o paciente.

Todos os procedimentos listados pelas sociedades médicas americanas são amplamente adotados no Brasil. Mas a discussão sobre “overtreatment” praticamente inexiste no país.

O senso comum diz exatamente o oposto: tratamentos, exames e medicamentos que poderiam nos ajudar são frequentemente vetados, seja no sistema público seja pelos planos de saúde.

Certamente isso também ocorre com frequência por aqui. No entanto, não dá mais para fugir da realidade de que estamos sendo submetidos a exames e procedimentos desnecessários.

Basta olhar a lista com exames divulgada pelas sociedades médicas americanas. Ela serve, no mínimo, como guia para as nossas próximas consultas médicas ou idas a hospitais.

 

Essa mudança de opinião nos EUA também reflete alterações nos planos de de saúde, que estão tentando reduzir incentivos financeiros para os médicos pedirem mais exames e procedimentos.

Gastos

Tratamentos desnecessários são uma importante fonte de gastos entre as despesas médicas nos EUA.

“Mas o sistema privado de lá não é muito diferente da situação no Brasil. Aqui também há excesso de especialistas e exagero de exames e intervenções”, diz Gusso.

A campanha das sociedades médicas foi batizada de “Choosing Wisely” (escolhendo sabiamente).

A lista de exames inclui recomendações para procedimentos rotineiros, como eletrocardiogramas, hoje feitos  mesmo quando não há sinal de problemas cardíacos, e ressonâncias magnéticas.

O American College of Radiology solicitou que os radiologistas não realizem exames de imagem em pacientes com uma simples dor de cabeça. Até os oncologistas estão recebendo a recomendação de pedir menos exames em pacientes com câncer de mama ou de próstata em estágio inicial com poucas chances de metástase.

“O uso excessivo de cuidados representa uma das mais sérias crises na medicina norte-americana”, afirma Lawrence Smith, chefe do North Shore-Long Island Jewish Health System, em Nova York. “Muitos pensaram que as organizações mais resistentes seriam as sociedades de especialistas, então essa é uma mensagem importante.”

Dificuldades

Em 2009, novas diretrizes para mamografias nos EUA recomendavam que as mulheres fizessem o exame com menos frequência, o que trouxe medo entre as pacientes sobre o aumento do controle do governo sobre decisões relacionadas à saúde e limitações ao tratamento.

“Infelizmente, as pessoas preferem o exagero, mesmo que tenham um prejuízo por causa de um tratamento sem necessidade”, diz Gusso. “Não é por causa dos exames que elas vão viver mais. Alimentação saudável, atividade física e parar de fumar são mais importantes.”

Os médicos, por sua vez, muitas vezes não seguem as  diretrizes. Segundo Gusso, como o tempo das consultas é curto, o médico logo pede um exame e o paciente sai mais satisfeito.

“As pessoas acham que o dinheiro gasto com o convênio só vale a pena se usarem ao máximo. Mas deveriam pensar que é como um seguro de carro: ninguém quer um acidente para receber o dinheiro das mensalidades.”

Editoria de arte/Folhapress
TESTES DEMAIS? Campanha de médicos americanos lista procedimentos e exames que têm sido prescritos em excesso
TESTES DEMAIS? Campanha de médicos americanos lista procedimentos e exames que têm sido prescritos em excesso

Fonte: Folha de São Paulo – 5 de abril de 2012

ou

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/1072088-medicos-fazem-campanha-contra-excesso-de-exames.shtml

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/1072093-excesso-de-testes-desnecessarios-ja-representa-grave-crise-na-saude-dos-eua.shtml

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaques

Meishu Sama

Johrei

Aulas do Reverendo Nakahashi

Templo Luz do Oriente

Construção da Torre de Miroku